Sobre Resiliência em Professores

Vários países referem a diminuição do ânimo dos professores e o aumento do stress e burnout, o que resulta em elevados níveis de abandono da profissão. Esta situação tem um impacto significativo não só na saúde e bem-estar dos professores, mas também no desempenho dos alunos e nas várias constituintes do sistema educativo, uma vez que as investigações realizadas têm revelado que uma escola eficaz traduz-se fundamentalmente na qualidade dos seus professores. Nas várias investigações desenvolvidas, professores com níveis elevados de compromisso com o seu trabalho tendem a manifestar um melhor desempenho pedagógico do que os seus pares que revelam dificuldades em manter o compromisso com a profissão.

“A resiliência oferece uma lente útil que nos permite examinar os mundos interno e externo dos professores, explorando quais os factores que, individualmente e em combinação, influenciam a sua capacidade para manter a sua paixão, entusiasmo e o forte sentido de realização” (Gu, Q. & Li, Q. (2013). Sustaining resilience in times of change: Stories from Chinese teachers. Asia-Pacific Journal of Teacher Education, 41(3), 288-303).

No ENTREE, a resiliência em professores é entendida pelo processo ou capacidade para uma adaptação positiva e para um compromisso e crescimento contínuo perante circunstâncias desafiantes. É formada por características individuais, contextuais e situacionais que se interrelacionam de uma forma dinâmica, podendo assumir-se quer como factores de risco (desafiantes) quer de protecção (suporte). Segundo esta perspectiva os professores, atendendo aos recursos pessoais, profissionais e sociais, não apenas reagem às situações desafiantes, mas são capazes de crescer pessoal e profissionalmente, encontrando satisfação no trabalho, crenças pessoais positivas, bem-estar pessoal e um compromisso contínuo com a profissão.